Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brasil não tem laboratórios, médicos e equipamentos para combater Covid-19; diz relatório do Ministério da Saúde


Sábado, 04 de abril de 2020

"Os leitos de UTI e de internação não estão devidamente estruturados e nem em número suficiente para a fase mais aguda da epidemia", informa o boletim.

BRASÍLIA - Um relatório elaborado pela equipe técnica do Ministério da Saúde aponta que o Brasil não tem médicos, laboratórios e equipamentos em número suficiente para o combate ao novo coronavírus. O boletim foi publicado no fim da noite de sexta-feira no site do Ministério da Saúde.

"Há carência de profissionais de saúde capacitados para manejo de equipamentos de ventilação mecânica, fisioterapia respiratória e cuidados avançados de enfermagem direcionados para o manejo clínico de pacientes graves de COVID-19 e profissionais treinados na atenção primária para o manejo clínico de casos leves de Síndrome Gripal", diz um trecho do boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde e que compilou dados até a última sexta-feira.

Recomendação:  Anvisa pede cautela no uso de plasma de pacientes curados em infectados por coronavírus

Em outro trecho, o documento faz uma avaliação negativa sobre a estrutura física do país no combate à doença. Por já saber da questão, os estados têm criado leitos, inclusive em hospitais de campanha.

"Os leitos de UTI e de internação não estão devidamente estruturados e nem em número suficiente para a fase mais aguda da epidemia", informa o boletim.

O Ministério aponta ainda que o Distrito Federal e os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas e Ceará são os que inspiram mais cuidado atualmente. A pasta teme que, nesses locais, a epidemia esteja em transição para uma fase conhecida como "aceleração descontrolada".

O ministério divide as fases da epidemia em quatro: epidemia localizada, aceleração descontrolada, desaceleração e controle. Esses cinco estados são os que apresentam o maior número de casos confirmados por grupo de 100 mil habitantes.

O documento diz ainda que a capacidade laboratorial do governo é insuficiente para atender à demanda projetada pelo Ministério da Saúde para o que considera que será a fase mais crítica da epidemia.

Para dar conta dessa fase, a rede nacional de laboratórios, composta por 27 laboratórios centrais nos estados e no Distrito Federal precisaria ampliar sua capacidade diária de processar exames que é de 6,7 mil por dia para algo em torno de 50 mil por dia, um aumento de 646%.

Contrariando as declarações do presidente Jair Bolsonaro, que é contra a manutenção de medidas de distanciamento e isolamento social, o boletim reforça ainda que tais medidas precisam ser mantidas para evitar um aumento avanço maior da Covid-19 no Brasil. Bolsonaro estuda flexibilizar o isolamento em cidades pequenas e médias com poucos casos.

"O Ministério da Saúde do Brasil avalia o risco nacional como muito alto. Deste modo, as Unidades da Federação que implementaram medidas de distanciamento social ampliado devem manter essas medidas até que o suprimento de equipamentos (leitos, EPI, respiradores e testes laboratoriais) e equipes de saúde (médicos, enfermeiros, demais profissionais de saúde e outros) estejam disponíveis em quantitativo suficiente", informa outro trecho do boletim.

Perfil das vítimas

O documento também detalha o perfil das vítimas até o momento. Entre os 359 óbitos confirmados até então, 286 já possuem investigação concluída, diz o ministério. Destes, 165 (57,7%) foram do sexo masculino.

Já com relação à idade, 242 ou 85% dos casos de óbito por Covid-19 registrados tinham 60 anos ou mais.

O boletim também reforça a prevalência de fatores de risco para o agravamento da infecção pelo novo coronavírus. Segundo o Ministério da Saúde, em 82% dos óbitos havia uma comorbidade associada.

Cardiopatias foram as mais frequentes: em 57,5% dos casos investigados (164 óbitos), essa foi a principal comorbidade citada - e em 155 mortes, o paciente tinha 60 anos ou mais.

Em seguida vieram descrições de diabetes (40% dos óbitos investigados), pneumopatia (45%) e doenças neurológicas (10,5%). Casos de insuficiência renal, obesidade e asmas também foram citados, em menor destaque.

De acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, o Brasil tem 9.056 casos confirmados da doença e 359 mortos. Segundo pesquisadores, o número de casos de coronavírus no Brasil pode crescer até seis vezes em 18 dias.


O Globo
Foto reprodução O Globo

    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário