Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Articulação Semiárido Brasileiro que ajuda mais de 350 mil paraibanos recebe prêmio internacional


O programa de cisternas da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) recebeu prêmio Política Para o Futuro como segunda melhor iniciativa para combater desertificação no mundo.

Antes a gente plantava só um canteiro. Depois da cisterna, nossa vida mudou, a gente planta de tudo”. Fátima Fernandes de Barros mora na zona rural de Massaranduba, no Agreste da Paraíba, desde que nasceu, mas somente a partir de 2003 passou a ter água suficiente para beber e plantar o ano todo. Foi a partir dos projetos de cisternas da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) que Fátima e mais de 350 mil pessoas na Paraíba saíram do risco hídrico.

Os Programas 1 Milhão de Cisternas (P1MC) e Uma terra e Duas Águas (P1+2) coordenados pela ASA e financiados pelo governo federal receberam uma premiação internacional na segunda-feira (11). O programa de cisternas da ASA foi reconhecido pelo prêmio Política para o Futuro (Future Policy Award) como segunda melhor iniciativa do mundo para se combater a desertificação do solo e suas graves consequências sociais.

De acordo com Glória Batista, da ASA Paraíba e da Coordenação Nacional da ASA, a iniciativa tem ajudado a região do semiárido paraibano, em especial a microrregião do Seridó, a mais afetada pela desertificação segundo estudos. Ela contou que a iniciativa permitiu que as pessoas vivessem com água em regiões que não chove há cinco anos.

“O reconhecimento é uma prova de que é possível a política de convivência no Semiárido. Os programas têm deixado o Semiárido paraibano, sobretudo, mais vivo. Estamos fazendo com que as pessoas possam viver onde elas nasceram”, comemorou a coordenadora da ASA na Paraíba.

Cisternas são instaladas em casas na zona rural do Semiárido nordestino
 (Foto: Roberta Guimarães/Ascom ASA)
Segundo dados repassados pela ASA, foram construídas ao longo do funcionamento dos programas P1MC e P1+2 mais de 77,9 mil cisternas de água para consumo humano e 9,5 mil cisternas de água de produção, destinada para consumo animal e produção agrícola. As cisternas construídas com insumos do governo federal beneficiam 350.618 paraibanos, ainda conforme dados da ASA.

No caso da agricultora Fátima Fernandes de Barros, o sítio Canta Galo, administrado por ela foi contemplado tanto com a cisterna para consumo, quanto para criação de animais e produção de alimentos. Fátima relata que com a água das cisternas consegue manter a cultura de vários tipos de folhas e ainda criar galinhas e porcos.

Mais de 87 mil cisternas de água para consumo e produção estão instaladas na Paraíba
(Foto: Reprodução/asabrasil.org.br)
“A gente produz coentro, couve, alface. Não é quantia grande, mas a gente produz o ano todo. As cisternas mudaram a nossa vida. Nasci na zona rural e gosto de viver no sítio. Só vou na cidade para comprar alguma coisa, mas minha vida é no sítio. E por isso a cisterna ajudou, mudou nosso destino”, completou a agricultora.

A história da vida da agricultora Fátima Fernandes de Barros é a síntese do programa de cisternas da ASA, como exemplificou a coordenadora da iniciativa. “Vivemos uma estiagem, talvez a pior dos últimos 80 anos, mas com as cisternas, as pessoas não se veem obrigadas a deixar o lugar onde nasceram”, decretou Glória Batista.

Programas de Cisternas, mantidos com ajuda do governo federal, ajuda famílias do Nordeste e do Norte de Minas Gerais (Foto: Léo Drumond/Ascom ASA)

G1 PB
Foto: Mônica Lourenço/Ascom ASA

Veja mais notícias no www.saovicenteagora.com.br curta o Facebook AQUI siga o Twitter AQUI o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias do dia. Você também pode falar com a redação através do WhatsApp (83) 9 9347 4768


    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário