terça-feira, 31 de maio de 2016

Ministério Público diz que fraude no Bolsa Família chega a R$ 2,5 bilhões

G1 Brasília
Foto ilustrativa da internet


Levantamento apontou pagamentos a falecidos e pessoas sem o direito.

Ministério do Desenvolvimento Social terá 30 dias para informar providências.

O Ministério Público Federal identificou pagamentos supostamente irregulares do Bolsa Família no valor de R$ 2,5 bilhões entre 2013 e 2014. Ao cruzar informações de beneficiários com dados da Receita, Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Tribunais de Contas, o órgão verificou saques realizados por pessoas já falecidas e por pessoas sem direito de participar.

Ao todo, os pagamentos abrangeram cerca de 1,4 milhão de pessoas, incluindo titulares do benefício e suas famílias. Na semana passada, a procuradora Renata Baptista, coordenadora da apuração, pediu ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, responsável pelo programa, informações sobre quais providências foram tomadas.

Veja mais notícias no www.saovicenteagora.com.br curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias do dia. Você também pode enviar informações para a redação através do WhatsApp 9 9347- 4768

Em nota, o ministério disse que não ignora a possibilidade de irregularidades ocorridas na gestão anterior.

“A pasta está empenhada em aperfeiçoar o controle e os mecanismos de fiscalização dos beneficiários do Bolsa Família. O MDS esteve no Tribunal de Contas da União e entrou em contato com o Ministério Público Federal para tratar do assunto. Um comitê de controle será criado para depurar e garantir que o Bolsa Família seja destinado para quem mais precisa”, informou.

Além de pessoas mortas, o MP identificou beneficiários com vários CPF's cadastrados para receber o dinheiro. Também foram encontrados servidores públicos com família de menos de  quatro pessoas, doadores de campanha em valores superiores ao recebido no programa, proprietários ou responsáveis por empresas ativas.

A apuração foi aprovada em junho do ano passado por iniciativa de departamento do MPF dedicado ao combate à corrupção.







Nenhum comentário:

Postar um comentário