segunda-feira, 16 de maio de 2016

Após fisgar espécie diferente na Paraíba, pescador leva susto; veja o vídeo

Arquivo Pessoal/Leonardo Franca 
Jornal da Paraíba
Foto: Arquivo Pessoal/Leonardo Franca


Comerciante Leonardo Franca, que há 25 anos realiza pesca esportiva no local, afirmou que nunca havia visto algo parecido. Ele devolveu o peixe com vida ao habitat.

Um pescador levou um susto no último sábado (14) ao fisgar uma espécie diferente de peixe no Rio Paraíba. De acordo com Leonardo Franca, que há 25 anos realiza pesca esportiva no local, o fato aconteceu quando ele e outros amigos estavam começando a atividade, por volta das 10h.

“Nosso alvo era um dos peixes mais esportivos existente nas águas paraibanas, o robalo flecha, mas, para minha surpresa e também para a surpresa de todos que estavam presentes, acabei fisgando um peixe esquisito de aparência pré-histórica que, só após a pescaria e também alguns estudos, vi que se tratava de uma espécie chamada de peixe morcego”, contou.

Veja mais notícias no www.saovicenteagora.com.br curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias do dia. Você também pode entrar em contato com a redação através do WhatsApp 9 9347- 4768

Leonardo afirmou, ainda, que depois de fotografá-lo e filmá-lo, fez questão de devolver o animal para seu habitat. “Fiz o que incentivamos os verdadeiros pescadores esportivos a fazerem sempre, que é devolvê-lo à água ainda com vida e, assim, poder ajudar a preservar as espécies”, relatou.

Conforme o professor doutor Ricardo Rosa, do Departamento de Sistemática e Ecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a espécie Ogcocephalus vespertilio é relativamente comum em águas estuarinas, aquelas referentes à parte de um rio próxima à sua foz no mar, onde a água doce se confunde com a salgada.

“Ele vive ao longo da costa brasileira, geralmente no fundo. Tem essas nadadeiras que lembram pernas, porque se locomove com elas. A profundidade máxima em que ele pode ser encontrado é de 200 metros”, analisou. “Ele é um predador e tem como se fosse uma isca no focinho para atrair outros organismos – geralmente camarões”, acrescentou, ressaltando que não ouviu relatos sobre a comercialização da espécie.







Nenhum comentário:

Postar um comentário