quarta-feira, 27 de abril de 2016

Pedofilia: Após suspeita de estupro padre é afastado das funções no interior da PB

G1 PB
Foto ilustrativa da internet


Ele foi afastado das funções sacerdotais até o fim da investigação.

Segundo polícia, suposta vítima era coroinha e diz ter sido abusada.

Um padre da Diocese de Guarabira, na Paraíba, foi afastado das funções sacerdotais por ter sido denunciado por "atos em desacordo com a lei", de acordo com uma nota assinada pelo bispo diocesano Francisco de Assis Dantas de Lucena, divulgada nesta quarta-feira (27).

A Polícia Civil da região explica que o sacerdote está sendo investigado pelo crime de estupro de vulnerável, que teria ocorrido na cidade de Dona Inês, no Agreste do estado. A nota diz que o afastamento acontece até o encerramento de todas as investigações.

Segundo o delegado do caso, Ricardo Sena, a suposta vítima, um adolescente de 13 anos relatou ter sido abusado várias vezes pelo padre. No entanto, o sacerdote nega as acusações e diz estar sendo vítima de uma ‘conspiração’ orquestrada por pessoas da paróquia que ele administra pois, segundo ele, não estariam satisfeitas com as mudanças realizadas.

Curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI  e o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias do dia. Você também pode entrar em contato com a redação através do WhatsApp 9 9347-4768

O delegado do caso contou que houve uma denúncia formalizada pelo Conselho Tutelar e um inquérito foi instaurado. “A vítima já foi ouvida. Os familiares e o padre também. Agora estamos aguardando o laudo de agressão física”, detalhou Ricardo Sena.

Segundo o delegado, a suposta vítima disse em seu relato que é um coroinha da paróquia do padre e o padre lhe dava vários presentes, como bicicleta e tablet. Sobre esses presentes, ainda de acordo com o delegado, o padre teria justificado que o adolescente se encontrava em vulnerabilidade social e queria fazer as doações como ações humanitárias.

A nota divulgada ressalta que "a Diocese de Guarabira não é responsável pelos atos particulares e isolados de seus membros, porém aqueles que infringirem os dispositivos das Leis Eclesiásticas e das Leis Brasileiras serão exemplarmente punidos".





Nenhum comentário:

Postar um comentário