segunda-feira, 21 de março de 2016

Professora diz que planta típica do Semiárido brasileiro corre risco de desaparecer



ASSIMP CDSA/UFCG
Fotos reprodução ASSIMP CDSA/UFCG


Trabalhando intensivamente com os ecossistemas do Cariri paraibano, a professora doutora Alecksandra Vieira de Lacerda, do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA) da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, identificou o comprometimento do juazeiro por fitófagos (animais que se alimentam de vegetais). A planta é uma das espécies mais importantes e bem distribuídas na região do Semiárido brasileiro.

De acordo com a professora, o juazeiro (nome científico: Ziziphus joazeiro Mart.) se mostra relevante para o desenvolvimento regional nas escalas sociais, ecológicas e econômicas, mas, vem sendo atacado por fitófagos, denotando um claro desequilíbrio nas relações planta-animal.

A referida professora, coordena o Laboratório de Ecologia e Botânica do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido e lidera o Grupo de Pesquisa em Conservação Ecossistêmica e Recuperação de Áreas Degradadas. Com sua equipe executou um rastreamento considerando a população do juazeiro no Cariri paraibano.

Curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI  e o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias da região

Foram coletadas várias amostras para análise e identificação das causas e consequências desse ataque. “Os valores de frequência foram surpreendentes indicando uma forte preocupação com esta espécie-chave dos sistemas ecológicos do Semiárido”, disse.

“Estamos apreensivos com os fatores que estão ocasionando desequilíbrio nos ecossistemas, os quais estão atingindo e podendo levar a redução da biodiversidade e das respectivas escalas de produção econômica dependentes dos recursos biológicos”, reflete Alecksandra Lacerda.

Pessoas naturais da região e que foram entrevistadas nesta pesquisa pelo Grupo de Pesquisa em Conservação Ecossistêmica e Recuperação de Áreas Degradadas, alertam também que nunca haviam visto isto acontecer com o juazeiro, o que aumenta ainda mais o nível do desequilíbrio que está ocorrendo no cenário atual segundo a professora.

“As análises estão em andamento e os apontamentos preocupam e direcionam para a relevância de se assumir um compromisso dos atores sociais com a biodiversidade regional, garantindo fatores de conservação para se ter um desenvolvimento pautado nos princípios da sustentabilidade. Portanto, vamos todos numa ação coletiva proteger a nossa riqueza biológica – Garantir a existência do juazeiro se faz necessário”, finalizou Alecksandra.








Nenhum comentário:

Postar um comentário