sexta-feira, 4 de março de 2016

Leituristas da Energisa reforçam o combate ao mosquito Aedes Aegypti

PB Agora
Foto reprodução PB Agora


 A Energisa Paraíba e a Energisa Borborema entraram de vez na luta pelo combate a erradicação do mosquito transmissor da Dengue, Zika Vírus e Chikungunya. A empresa,que envia mensagens de combate ao mosquito pela conta de luz e realiza diversas campanhas internas para a conscientização de seus colaboradores, agora, por meio de uma parceria com o Governo do Estado colocará seus auxiliares comerciais (leituristas) para atuar como identificadores de possíveis criadouros.

A partir de hoje (04), os mais de 300 profissionais da Energisa passam a combater a proliferação do Aedes Aegypti no exercício de sua função. Ao detectar um possível sinal de foco, eles farão, por meio de seu sistema de leitura, uma notificação à Secretaria de Saúde do Estado que encaminhará às prefeituras, responsáveis pelas ações de eliminação dos criadouros e também pela notificação dos responsáveis pelos imóveis.

Curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI  e o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias da região

“É de extrema importância que a Energisa faça parte dessa campanha. É preciso que todos se sintam parte desse exército, pois só assim poderemos erradicar esse mosquito. Todos precisam abraçar essa causa”, conta Rainilton Andrade, gerente do Departamento de Serviços Comerciais da Energisa.

Treinamento

Os auxiliares comerciais foram treinados pelo técnico de vigilância ambiental e saúde da Secretaria e Saúde do Estado da Paraíba, Luiz Almeida, que apresentou aos profissionais todas as peculiaridades do mosquito.

O técnico explicou como se detecta um possível foco e o que fazer ao encontrar um. “O controle desses criadouros só terá resultado se todos participarem dessa causa. Essa epidemia mostrou que somente uma parte da sociedade não será capaz de lutar contra esse mosquito, pois ele está em todo lugar”, conta Luiz.

Além disso, o sistema de leitura de consumo foi adaptado para transmitir as informações à Secretaria de Saúde do Estado. “Recebemos a demanda e adaptamos nossas ferramentas para que as informações cheguem o mais rápido possível e as providências possam ser tomadas imediatamente”, explica Rainilton.

Segundo Felipe Silva Monteiro, leiturista da Energisa há mais de um ano, no decorrer de suas atividades, já viu diversos focos de proliferação do mosquito, como piscinas abandonadas, por exemplo. “Como cidadão, sempre alerto as pessoas quanto ao perigo dos criadouros. Agora com essa nova responsabilidade que recebemos, será uma multiplicação de olhos para esse problema. Iremos dar uma grande colaboração à sociedade”, avalia Felipe, que já vivenciou um caso de contaminação de Zika Vírus na família. Aos dois meses de gravidez, sua esposa foi infectada sem, no entanto, afetar o bebê.





Nenhum comentário:

Postar um comentário