sábado, 12 de março de 2016

Cariri paraibano: Infectados pelo Aedes ingerem querosene acreditando aliviar efeitos da dengue, zika e chikungunya

Homem é assassinado com tiro na cabeça na cidade do Congo 
Cariri Ligado
Foto reprodução Cariri Ligado


Moradores da cidade de Monteiro no Cariri paraibano, que foram infectados pelo mosquito Aedes Aegypti com os vírus da dengue, Zika e chikungunya, estão se ‘auto medicando’ com vários tipos de remédio por não aguentarem os sintomas que variam entre dores, febres, inchaços, dentre outros. Mas o mais inusitado e perigoso é a ingestão de querosene, que os moradores acreditam ser um santo remédio para aliviar os sintomas dos vírus.

De acordo com informações, alguns monteirenses passaram a consumir diariamente algumas gotas de querosene, que é altamente tóxico e corrosivo, misturadas com um pouco de água, com a esperança de fazer passar os sintomas dos vírus, que em algumas dessas pessoas já vem durando aproximadamente seis meses.

Curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI  e o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias da região

O grande problema é que não existe nenhum estudo cientifico que prove a eficácia no consumo de querosene, pelo contrário, pode ser altamente prejudicial à saúde. O querosene está comprovadamente relacionado à enfermidades dermatológicas (incluindo infecções, ressecamento, queimadura e neoplasia), hematológicas (anemia aplástica, leucocitose, metahemoglobinemia) e respiratórias (é capaz de induzir asma e provocar crises agudas da doença além de desastrosa pneumonite química nos casos de ingesta acidental e/ou aspiração).

Além para o sistema respiratório, do sistema nervoso pode ser danificada por envenenamento querosene. A vítima pode sentir tontura ou como se embriagado, apresentando sintomas como tonturas, cambaleando, sonolência e fraqueza. Outros sintomas podem ser depressão, dor de cabeça, convulsões ou convulsões e possível perda de consciência. Visão pode ser afetada e visão turva pode durar até uma semana.





Nenhum comentário:

Postar um comentário