quinta-feira, 24 de março de 2016

Agentes da PRF contam como foi parto de bebê que nasceu na BR-230

G1 PB
Foto ilustrativa da internet 


Mulher teve o filho dentro do carro, em distrito de Campina Grande - PB.

Bebê nasceu saudável e foi levado para maternidade.

Os agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que ajudaram no parto de uma criança que nasceu às margens da BR-230 no Distrito de São José da Mata, em Campina Grande contaram, em entrevista à TV Paraíba, como foi a ação rápida que garantiu o nascimento, em segurança, de João Lucas, dentro do carro da família. Os agentes visitaram a mãe e o bebê na maternidade do Instituto Elpídio de Almeida (Isea), na manhã desta quinta-feira (24).

Carlos Valberto estava trabalhando e esperando a chegada do comunicado de sua aposentadoria quando aconteceu a situação inusitada. “Não era meu último dia de trabalho, mas eu estava trabalhando já esperando a aposentadoria que podia chegar à qualquer momento. Além de todas as atribuições que temos na polícia, Deus colocou mais essa em nossa vida. Eu ainda não sei quando vou oficialmente sair, mas com certeza, vou me aposentar satisfeito do dever cumprido”, disse o agente.

Curta o Facebook AQUI  siga o Twitter AQUI  e o canal do You Tube AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as principais notícias da região

Segundo a mãe de João Lucas, Joelma Maria da Silva, ela saiu da cidade de Junco do Seridó, na região da Borborema paraibana, junto com o marido e uma cunhada, com destino ao Isea, em Campina Grande, para dar a luz à criança, na tarde da quarta-feira (23). No caminho, ao passar pelo posto da PRF da Farinha, em Pocinhos, no Agreste do estado, a família pediu apoio aos agentes para que o caminho fosse aberto na estrada com o objetivo de conseguir com que a grávida chegasse à tempo no hospital.

Uma equipe da polícia iniciou a escolta do carro, mas minutos depois, a mãe entrou em trabalho de parto. “Quando a bolsa se rompeu, meu marido rapidamente desligou o carro, abriu a porta onde eu estava e ele nasceu nos braços dele. Logo que ele nasceu, vimos que ele estava roxinho e rapidamente colocamos um dedo na garganta dele e conseguimos normalizar a situação”, disse Joelma.

O agente da PRF Gustavo Grisi, que também estava escoltando o carro, contou como foi a situação no local. “A gente estava dando apoio até mesmo para tirar os curiosos. Começou a juntar gente e precisamos orientar o trânsito e dar uma tranquilidade para a mãe, que começou a ficar nervosa vendo o filho ficando arroxeado. O pai começou a ficar também e a gente tentou afastar o pessoal e deu uma tranquilidade”, completou.





Nenhum comentário:

Postar um comentário