domingo, 10 de janeiro de 2016

Em 12 anos, Bolsa Família perde poder de compra devido à inflação

UOL
Foto ilustrativa da internet



O brasileiro que depende do Bolsa Família para pagar suas despesas tem visto o benefício valer cada vez menos, corroído pelo aumento da inflação. Desde que o programa foi criado, em outubro de 2003, o valor mínimo concedido às famílias, chamado de benefício básico, passou de R$ 50 para R$ 77, uma variação de 54%, praticamente a metade da alta dos preços acumulada no período, de 101,9%, segundo o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Apesar disso, os gastos do governo com o Bolsa Família subiram 631% entre 2004 (primeiro ano inteiro de funcionamento do programa) e 2015, seis vezes mais que o IPCA e onze vezes mais que o aumento do benefício básico. Seria intuitivo concluir que a expansão do gasto se deve a um aumento proporcional do número de famílias atendidas. Não é o caso. A quantidade de famílias cadastradas no mesmo intervalo de tempo saiu de 6,6 milhões para 13,8 milhões, avanço de 109%, seis vezes menos que o ritmo de crescimento do desembolso do governo. O que ocorreu, na verdade, é que o gasto por família ficou maior.

Curta o Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora, a página de notícias mais acessada da região do Seridó e do Curimataú paraibano e fique atualizado com as notícias

O governo não trabalha com o número de pessoas em cada família, para saber se as elas ficaram maiores, mas calcula o valor médio do benefício por família. E este, sim, registrou crescimento acima da inflação desde a criação do programa, de 122%, para R$ 164. A expansão contou com a ajuda de uma mudança na regra do Bolsa Família adotada em 2011. À época, havia um limite de três crianças de zero a 15 anos que poderiam ser inscritas - cada filho representa um acréscimo no valor do benefício básico, chamado pelo governo de benefício variável. Com a mudança, o limite passou para cinco crianças, elevando o valor repassado às famílias.

Consequentemente, o gasto total do governo em 2011 subiu 21% em relação ao ano anterior, enquanto o número de famílias atendidas cresceu 4%. Em 2012, o gasto subiu 22% e o número de famílias beneficiadas 2%. Em 2013, foram de 18% e 1%, respectivamente; e, em 2014, de 9% e 1%. O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), que controla o Bolsa Família, destaca outras medidas que contribuíram para o aumento do desembolso acima da inflação.

Em 2012, todas as famílias beneficiárias do programa com filhos de até 6 anos e que estavam em condição de pobreza extrema (com renda abaixo de R$ 70 per capita) passaram a receber uma complementação de renda a fim de ajudar a superar esta condição. Em dezembro de 2014, essa medida foi ampliada para famílias com filhos de até 15 anos. Em 2013, o governo determinou que nenhuma família beneficiária do Bolsa Família poderia ter renda per capita inferior a R$ 70. Com a medida, ampliou-se a complementação de renda para todas as famílias do programa.

Para 2016, o governo estima uma expansão de R$ 1,1 bilhão nos gastos com o Bolsa Família, para R$ 28,8 bilhões. Segundo o MDS, parte desse aumento deverá ser usado para reajustar o benefício básico, embora ainda não haja uma definição de quanto será nem quando será. O que se sabe é que o reajuste não vai recompor a inflação, uma vez que a presidente Dilma Rousseff vetou, na sanção da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016, um aumento de 16,6%, equivalente à alta dos preços nos últimos 20 meses.

Reajustes

Nos 12 anos de existência do programa, o governo só reajustou o benefício em cinco oportunidades, sendo que somente em duas delas o reajuste adotado superou a inflação do período correspondente. O primeiro reajuste foi estabelecido em julho de 2007, quando o programa tinha quase quatro anos de duração. O valor subiu 16%, de R$ 50 para R$ 58. No entanto, o IPCA acumulado de outubro de 2003 a junho de 2007 foi de 21,1%.

O segundo aumento, em junho do ano seguinte, foi de 6,9% e ficou acima da inflação do período (5,3%), elevando o valor mínimo do benefício para R$ 62. Em julho de 2009, o aumento de 9,7% também acima da inflação (5,57%), mas daí em diante, vieram os outros dois reajustes não cobriram o aumento de preços. Em março de 2011, de 2,9%, contra um IPCA acumulado de 9,5%, enquanto o último reajuste, em junho de 2014, fixou em 10%, menos da metade da inflação acumulada no período, de 21,1%.

Ao longo deste período, o governo também elevou o valor do benefício variável que depende do número de filhos. Em simulações com famílias com uma ou duas crianças, o poder de compra também foi corroído. Em 2004, um casal com apenas um filho recebia R$ 65 (R$ 50 do básico mais R$ 15 do variável). Em 2015, esta família passou a receber R$ 112 (R$ 77 do básico mais R$ 35 do variável). O aumento foi de 72%, enquanto o IPCA variou 101,9%. No caso das famílias com dois filhos, o salto foi de R$ 80 para R$ 144, um acréscimo de 80%.

Sem a correção do benefício do Bolsa Família pela inflação, o programa acaba perdendo em eficiência, avalia o economista Marcel Caparoz, da RC Consultores. "Se o objetivo é dar mais poder de compra às pessoas mais pobres, este poder de compra está sendo corroído com o tempo", afirma. "Além disso, as pessoas mais pobres são as mais vulneráveis às oscilações dos preços, pois possuem menos mecanismos de proteção, como uma aplicação financeira com rentabilidade acima da inflação", diz.

Caso o governo utilizasse o IPCA como referência para os reajustes, o benefício básico estaria hoje em R$ 101, R$ 24 a mais que os atuais R$ 77. No entanto, para o economista Rafael Bistafa, da Rosenberg Associados, vincular o Bolsa Família a um índice de preços não seria uma boa ideia."O Orçamento do governo já tem muitas despesas que são vinculadas a algum índice e que, portanto, não podem ser cortadas, como o salário mínimo. Indexar o Bolsa Família diminuiria ainda mais a margem do governo para fazer o ajuste fiscal", explica. O próprio governo faz a avaliação de que não seria interessante indexar o benefício do programa à inflação, pois o Bolsa Família atua como um complemento à renda das pessoas, e não como um salário.





Nenhum comentário:

Postar um comentário