quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Senador aponta fraude na Mega-Sena e prêmio acumulado até ontem está sob suspeita

Blog do Gordinho
Foto ilustrativa da internet



Álvaro Dias apontou desencontro de informações na divulgação do resultado; Caixa teria anunciado prêmio acumulado antes de confirmar ganhador.

O senador Alvaro Dias anunciou nesta quinta-feira (26) que cobrará explicações da Caixa Econômica sobre o concurso 1764 da Mega-Sena, que foi realizado na noite de ontem (25). Nas redes sociais, o senador aponta um possível desencontro de informações na divulgação dos resultados e lembra que já denunciou um esquema de manipulação de resultados e lavagem de dinheiro envolvendo a loteria.

“O desencontro de informações, uma vez que a CEF informou inicialmente não haver ganhadores, para só depois anunciar um único apostador como ganhador, alimenta especulações de irregularidades, que devem ser passadas a limpo urgentemente”, destacou o Alvaro Dias. Ainda de acordo com a postagem, o senador já denunciou eventuais crimes como fraude, lavagem de dinheiro e manipulação de resultados. As denúncias fazem parte de um inquérito policial que tramita na 2ª Vara Especializada da Justiça Federal, que ainda não foi concluído.

Curta a página do Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias

Depois de fazer as denúncias, há mais de dez anos, ele apresentou um projeto de lei que inibe fraudes e lavagem de dinheiro com os prêmios de loterias.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram supostas fotos do site da Caixa minutos após a divulgação do resultado do concurso 1764, que sorteava o prêmio de R$ 205 milhões. Em um primeiro momento, o site anunciava que o prêmio havia acumulado novamente para, momento depois, anunciar que um apostador do Distrito Federal havia acertado as seis dezenas. A Caixa ainda não se manifestou sobre o caso.

As denúncias envolvendo manipulação de resultados, fraudes e lavagem de dinheiro envolvendo as Loterias da Caixa, feitas por Alvaro Dias em diversas ocasiões desde 2004, fazem parte de uma investigação que compõe o inquérito policial nº 1-352, que tramita na Segunda Vara Especializada da Justiça Federal. O inquérito ainda não foi concluído, mas independente disto, eleapresentou projeto de Lei que inibe fraudes e lavagem de dinheiro com prêmios de loterias.

Na última terça-feira, (24), o Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra o ex-jogador da seleção brasileira Edílson da Silva Ferreira, conhecido como Edílson Capetinha, pelo crime de organização criminosa. Ele é suspeito de integrar uma quadrilha especializada em fraudar pagamentos de prêmios de loterias da Caixa Econômica Federal. 

A investigação comandada pela Polícia Federal batizada de “Operação Desventura” aponta que Edílson era o responsável por aliciar gerentes de bancos para a quadrilha. Além de Edilson, outras 10 pessoas devem responder por crimes como furto qualificado por fraude, estelionato, falsificação de documento público, tráfico de influência, corrupção ativa, crime contra a ordem tributária, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.






Nenhum comentário:

Postar um comentário