quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Mãe acusada de matar filho de cinco anos em Sumé se diz inocente e conta sua versão

Paraíba
Foto reprodução Paraíba
 


Acusada de ter participação na morte do filho de cinco anos de idade em Sumé, Laudenice dos Santos Siqueira, de 22 anos, concedeu entrevista ao programa Cidade em Ação da TV Arapuan e contou sua versão sobre o crime que parou a Paraíba e já repercute em todo o Brasil.

A mãe contou que só notou que o filho tinha desaparecido na manhã da segunda-feira (12) e acusou um homem conhecido como Batista, que é um dos que estão presos acusados do crime, de ser o assassino.

De acordo com Laudenice, a criança saiu com outra filha sua de oito anos para ir até a casa da avó e afirmou que dormiu, pois estava com o joelho machucado, no dia seguinte, ela teria perguntado a mãe onde a criança estava e recebeu a resposta de que ele tinha desaparecido.

Curta a página do Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias 

“O menino desapareceu, não sabia onde estava, passei o dia e a noite procurando, na terça-feira acordei às 5 horas da manhã para fazer o café e fui para o conselho de novo, perguntei a vizinha do lado e um moço disse que viu o menino a noite com Batista. Meu marido foi na casa dele”, contou.

Ela explicou ainda que o acusado afirmou não ter visto a criança e que quem encontrou o corpo foi seu marido, Daniel e outro homem que também está preso, identificado como ‘Paulistinha’.

Questionada sobre a morte da criança ser ligada a um ritual de magia negra, a mulher negou e afirmou que não “mexe com isso”. Ela manteve a acusação contra Batista. “Eu jamais faria isso com o meu filho, estou abalada, jamais mataria um filho meu. Quem matou ele está preso, foi o Batista”, afirmou destacando não saber se Daniel teria envolvimento ou não.

Laudenice também negou que a criança sofresse maus tratos e destacou que seu marido “nunca deixou faltar nada”.

A delegada destacou o comportamento atípico da mulher que aparenta muita tranqüilidade desde que chegou a João Pessoa. A acusada ficará cinco dias sozinha para avaliação e então a direção do presídio Julia Maranhão vai decidir se ela irá para junto das demais apenadas ou ficará em outro local mais seguro.




Nenhum comentário:

Postar um comentário