quarta-feira, 12 de agosto de 2015

PEC reajusta subsídio de professor até 90% do que ganha ministro do STF

Portal Correio
Foto internet da internet



Proposta foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados nessa terça-feira.

A Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou, nessa terça-feira (11), a Proposta de Emenda Constitucional que cria o Magistério Público Nacional (PEC da Nova Educação) de autoria do deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB). A proposta permite o reajuste do subsídio dos professores até o limite de 90% do que recebem os ministros do Supremo Tribunal Federal.

Os parlamentares seguiram o voto do relator, deputado Esperidião Amin (PP/SC), que atestou a admissibilidade da proposta. “Agora, essa deixa de ser uma questão técnica e passa a ser de vontade política. Vamos nos mobilizar para aprovação dessa matéria, pois a educação deve ser prioridade”, destacou Pedro.

Curta a página do Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias.

A ‘PEC da Nova Educação’ acrescenta um parágrafo ao artigo 205 e modifica o inciso VIII e o parágrafo único ao artigo 206, ambos da Constituição Federal, para instituir o Magistério Público Nacional. Ela estabelece que o professor é a categoria responsável pela educação e que seu subsídio máximo seja considerado limite superior dos agentes administrativos públicos, não podendo a diferença entre as diversas categorias ser superior a 10% nem inferior a 5%, nem exceder a 90% do limite a que se refere ao subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Todos os professores, segundo a propositura, seguirão as diversas carreiras, regidas por uma lei complementar nacional, sem que, também, no espaço geopolítico ou administrativo possam ter diferenças. “Garante-se assim, um subsídio para o magistério como forma de dar-lhe a mesma grandeza dos agentes políticos (magistratura, Ministério Público, mandatos eletivos e correlatos) e que esses subsídios serão limites superiores na administração pública, para os demais servidores do Estado, entendidos como agentes administrativos”, explicou o deputado.

Depois de aprovada, a PEC também diz que o Governo terá um prazo de 15 anos da publicação da lei para se atingir o valor previsto que será pago aos professores, além da determinação de que o programa de ajuste do orçamento conste das leis orçamentárias.

“Essa proposição cria a instituição do Magistério Público Nacional a fim de considerar o professor o instrumento responsável pela educação, para atender que todos os limites da ação humana é o próprio ser humano. Vamos agora para o próximo passo que é a discussão da PEC na Comissão Especial”, destacou o deputado Pedro Cunha Lima.

Após aprovação pela CCJ será designada uma comissão especial, para que ela trate do mérito da PEC, que terá o prazo de 40 sessões para proferir o parecer sobre a matéria. Após aprovação nessa comissão especial, a proposta segue para plenário para ser votada em dois turnos com intervalos de cinco sessões entre as votações. Para ser aprovada a propositura precisa de 308 votos, ou seja, três quintos dos deputados em cada um dos turnos. Caso aprovada, a PEC segue para tramitação e votação no Senado Federal.





Nenhum comentário:

Postar um comentário