segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Educadores dão dicas para candidatos que querem se preparar para o Enem

 
Agência Brasil
Foto ilustrativa da internet



Simulados na internet, videoaulas gratuitas e grupos de estudos em redes sociais são alternativas cada vez mais acessíveis para quem quer se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e não tem dinheiro para pagar um cursinho e comprar material. As provas do Enem estão marcadas para os dias 24 e 25 de outubro.

Assistir a aulas gratuitas na internet é uma as dicas do coordenador-geral do cursinho gratuito Pró Universidade, de Santa Catarina, Otávio Auler. A oferta desse tipo de conteúdo tem crescido, e o estudante pode encontrar aulas sobre diversas disciplinas, de atualidades e com dicas de como fazer uma boa redação. Entre os canais sugeridos pelo coordenador estão o de educação do Youtube, a Khan Academy, o site Aula ao Vivo e o Aulalivre.net.

Outra opção que o estudante tem para se preparar sem gastos é fazer provas de edições anteriores do Enem. “Fazer as provas anteriores é importante para organizar o tempo, identificar as dificuldades, os pontos fortes e fracos. As provas estão no site do Inep e o estudante pode imprimir ou fazer na própria tela do computador, em smartphones, usando o computador de uma lan house”, disse Otávio Auler.

Curta a página do Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias

Além de ser fonte de distração, as redes sociais podem se tornar uma ferramenta de estudo. O coordenador do ProUniversidade conta que alunos têm criado grupos de estudos no WhatsApp e no Facebook, em que os participantes trocam exercícios, formam grupos para estudar matérias específicas e compartilham experiências de estudo.

Outra alternativa para quem quer estudar e está com o orçamento apertado são os simulados na internet, que, com a proximidade da data do Enem, são disponibilizados em sites de cursinhos, de escolas e de grupos de comunicação. “Os simulados não só permitem aos alunos se posicionar na escala de notas como orientam sobre as lacunas de informação, o que eles não conhecem. Os simulados podem ajudar também a orientar um programa de estudo”, disse o mestre e doutor em educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Álvaro Chrispino.

Vice-presidente do cursinho gratuito Galt Vertibulares, do Distrito Federal, Rubenilson Cerqueira conta que a percepção é que, em geral, o acesso à internet não é um problema para os alunos. Mas, se isso acontecer, ele sugere que os estudantes procurem locais públicos como bibliotecas e aproveitem o tempo que passam em rodoviárias e estações de metrô que dão acesso à internet. “Vejo que, quando o aluno tem o interesse, ele consegue esses mecanismos para estudar e se preparar para o processo seletivo.”

Muitos cursinhos fazem aulões gratuitos abertos para o público em geral que também são uma oportunidade para aprender e revisar conteúdos já estudados.

Há ainda os cursinhos populares que oferecem aulas gratuitas para alunos de escolas públicas – uma forma de preparar grande número de estudantes que não teriam acesso a esse serviço em função dos altos preços cobrados pelos preparatórios. “Muitos que não têm condições de pagar um cursinho tem dificuldade para ter acesso a material de qualidade e para organizar uma grade de estudo. Isso fica mais fácil quando se tem acompanhamento”, destacou Rubenilson Cerqueira.

Álvaro Chrispino recomenda que o candidato não deve desistir mesmo se, depois de todo o estudo, não obtiver sucesso no exame. “A pessoa que não tiver sucesso na primeira vez no Enem precisa tentar de novo. Ele vai ter questões com uma nova versão sobre os mesmos conteúdos e vai ter um novo grupo disputando novas vagas”, disse.





Nenhum comentário:

Postar um comentário