sexta-feira, 26 de junho de 2015

Quadrilha fraudava licitações e desviou R$ 18 mi na PB; sete carros e R$ 174 mil são apreendidos

Sete carros foram apreendidos 
Portal Correio
Foto reprodução Portal Correio



Investigações indicam que a organização criminosa vinha atuando, pelo menos, desde 2009.
Uma quadrilha especializada em fraudar licitações em obras e serviços de engenharia de 16 prefeituras da Paraíba deve ser desarticulada na manhã desta sexta-feira (26) em operação deflagrada pelo Ministério Público Federal, Controladoria Geral da União e Polícia Federal. Estima-se que o grupo tenha desviado R$ 18,3 milhões de verbas federais.

As investigações indicam que a organização criminosa vinha atuando, pelo menos, desde 2009, desviando recursos federais através de irregularidades em licitações e contratos públicos, em especial a montagem de procedimentos licitatórios e a venda de notas fiscais. Os crimes também incluem lavagem de dinheiro através de empresa fantasma.

Intitulada Andaime, a operação tem como objetivo cumprir três mandados de prisão preventiva, sete mandados de prisão temporária, quatro mandados de condução coercitiva, 15 medidas de sequestro de bens e 18 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 8ª Vara da Justiça Federal em Sousa (Sertão da Paraíba, a 438 km de João Pessoa). Até o começo da tarde desta sexta, sete veículos e R$ 174 mil haviam sido apreendidos.

Curta a página do Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias.

As buscas e apreensões estão ocorrendo nas sedes das prefeituras de Cajazeiras, Joca Claudino, Bernardino Batista e Cachoeira dos Índios, em quatro estabelecimentos comerciais de Cajazeiras e nas residências de 11 pessoas físicas, nos municípios de Cajazeiras, Uiraúna e Joca Claudino, dentre as quais constam empresários e engenheiros responsáveis por obras e serviços de engenharia custeados com recursos federais.

Cerca de 90 agentes da Polícia Federal e dez auditores da CGU participam da operação. Os investigados responderão pelos crimes de fraude à licitação, desvio de recursos públicos, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

O procedimento investigatório criminal do MPF está embasado em relatórios de auditoria da CGU, informações policiais e relatórios de análise obtidos a partir do afastamento do sigilo de alguns investigados.





Nenhum comentário:

Postar um comentário