sábado, 10 de janeiro de 2015

Gestores da PB responderam em 2014 a 172 ações de improbidade


O Ministério Público da Paraíba ajuizou 172 ações civis por ato de improbidade administrativa contra gestores públicos de janeiro a dezembro de 2014, em 26 Promotorias de Justiça de todo o Estado.

Os dados foram compilados pelo Centro de Apoio Operacional às Promotorias do Patrimônio Público (Caop do Patrimônio), coordenado pelo promotor de Justiça Clístenes Holanda.

De acordo com o levantamento do Caop do Patrimônio, o maior número de ações corresponde a irregularidades em licitação, como despesas sem licitação e fraude. Foram 26 ações civis ajuizadas envolvendo os municípios Boqueirão, Campina Grande, Caldas Brandão, Caaporã, Catingueira, Santa Rita e São José de Piranhas.

 Em relação a ausência ou inadequação do portal da transparência foram ingressadas 16 ações civis públicas abrangendo os municípios de Araçagi, Caaporã, Pitimbu, Piancó, Igaracy, Aguiar, Olho D‘Agua, Emas, Catingueira, Pirpirituba, Sertãozinho, Serra da Raiz, Duas Estradas, Cacimbas, Sousa e Vieirópolis.

Curta a página do Facebook AQUI ou siga o Twitter AQUI do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias.

Outro problema que levou o Ministério Público a ajuizar ação de improbidade administrativa foi a contratação irregular de servidores sem concurso público. Foram registradas oito ações nos municípios de Boqueirão, Monte Horebe, Cachoeira dos Índios, Jacaraú, Igaracy e Cajazeirinhas.

As Promotorias que apresentaram os maiores volumes de ações civis foram Piancó, com 26 ações, Caaporã, com 16, Campina Grande, com 15, Itaporanga e Sousa, com 14, Gurinhém, com 12, e Sapé com 11 ações de improbidade.





PARAÍBA MAIS com MPF
Foto ilustrativa da internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário