sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Água: Racionamento em Campina, em São Vicente do Seridó e em outras 17 cidades começa em dezembro

Boqueirão tem 22% da sua capacidade total e, segundo assessoria da CAGEPA, a implementação do racionamento estava previsto para acontecer quando o açude atingisse 100 milhões de metros cúbicos.

A cidade de Campina Grande, São Vicente do Seridó, juntamente com os outros 17 municípios abastecidos pelas águas do açude Epitácio Pessoa, mais conhecido como Boqueirão, irá passar por um racionamento de água a partir do começo de dezembro. A informação foi dada nesta quinta-feira (23) pela assessoria de imprensa da CAGEPA.

Segundo Ricardo Avelino, assessor da companhia, a principal cidade afetada pelo racionamento será Campina Grande, por ser o município com a maior concentração populacional entre as cidades afetadas. Ele disse que Campina será dividida em duas bacias de abastecimento, uma compreendendo os bairros da região Norte e outra com os bairros da região Sul da cidade, que sofrerão um revezamento no abastecimento.

Avelino informou que o revezamento ocorrerá a cada três dias. “Durante o racionamento, a bacia Norte terá três dias ininterruptos de abastecimento, enquanto a bacia Sul ficará sem água. Depois, o racionamento é invertido, com água sendo liberada para a bacia Sul por três dias seguidos, ficando a bacia Norte sem água. Faremos isso até termos uma condição melhor de armazenamento no Boqueirão”, disse.

O açude de Boqueirão dispõe atualmente de 22% da capacidade total e, segundo Avelino, a implementação do racionamento de água estava prevista para ocorrer assim que o açude atingisse a capacidade mínima de 100 milhões de metros cúbicos, o que deve ocorrer no meio de novembro.


Curta o Facebook do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias. Clique AQUI 

De acordo com Avelino, o Ministério Público da Paraíba propôs a antecipação do racionamento já para o dia 15 de novembro, mas a data foi adiada. “O Ministério Público tentou antecipar o racionamento, mas os técnicos da CAGEPA e da Aesa conseguiram manter a data de início para dezembro, para que a população tenha mais tempo para se preparar”, afirmou.

Nessa quarta-feira (22), o Governo do Estado prorrogou a situação de emergência por mais seis meses em 170 cidades da Paraíba. Já o Ministério do Desenvolvimento Social classifica 198 cidades do estado dentro dessa situação, devido à falta de chuvas. 






Portal Correio

Foto reprodução internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário