Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Praga da palma afeta municípios de Juazeirinho e Soledade

 
A praga cochonilha-do-carmim, que já dizimou em torno de 150 mil hectares de plantações de palma em todo o Estado, instalou-se também nos solos do Seridó paraibano. As recentes cidades mais atingidas são Juazeirinho, Junco do Seridó, Santa Luzia, Soledade e Pocinhos, sendo estas últimas pertencentes às regiões do Curimataú e Cariri, respectivamente.

Há quatro anos a Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap) registra casos desta praga. No entanto, desde então agricultores têm perdido suas plantações por não saberem como evitar ou exterminar o inseto responsável por sugar a seiva da palma, deixando-a inutilizável. É o que acontece com o agricultor Armando Alves Rocha, na zona rural de Juazeirinho. "Já faz mais de dois anos que essa praga tem acabado com toda a plantação. Já coloquei veneno, óleo, mas nada funcionou", afirmou Armando.

O prejuízo na agricultura já soma R$ 500 milhões a 10 mil produtores rurais da Paraíba, segundo dados da Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa). Os palmares extintos, somente este ano, se localizavam nas regiões do Cariri Ocidental e Oriental, Serra do Teixeira, Vale do Piancó e a Região do Sertão, entre as cidades de Bonito de Santa Fé até Cajazeiras.


Curta o Facebook do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias. Clique AQUI

Uma possível alternativa de combate é uma solução contendo óleo de algodão bruto e detergente neutro. "Essa solução possui 98% de eficácia. Agricultores da cidade de Caturité conseguiram combater o mal a partir da mistura que consiste em 5 litros de óleo de algodão bruto mais 5 litros de detergente neutro para cada 100 litros de água", explicou o pesquisador da Emepa, Dr. Edson Batista Lopes, acrescentando que se o método tivesse sido aplicado de imediato nas plantações atingidas, o prejuízo não teria sido tão grande.

Há quatro anos existem registros da cochonilha-do-carmim em plantações paraibanas. No entanto, uma vez que a praga é propagada e a plantação se deteriora, é necessário que seja feito um replantio com as espécies resistentes produzidas pela Emepa. "Não adianta replantar a mesma espécie. A Emepa tem quatro cultivares registrados no Ministério da Agricultura a partir de pesquisas. No momento estamos distribuindo os tipos Palmepa PB 1 e Palmepa PB 3", disse Edson.

Nas cidades em que os palmares foram extintos, já teve início o plantio de 2 milhões de raquetes das novas espécies de palma resistentes à praga. Os agricultores que tiverem suas plantações destruídas devem solicitar junto à Secretaria de Agricultura do Estado as sementes produzidas pela Emepa.

A Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária informou ainda que apenas uma parte da região do Seridó permanece sem registros da praga.






Jornal da Paraíba

Foto ilustrativa da internet
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário