terça-feira, 26 de agosto de 2014

Quadrilha presa é acusada de sitiar cidade na PB e cometer 12 assaltos em seis estados.

Material foi apreendido pela polícia

Seis pessoas foram detidas por meio de mandados de prisão cumpridos em Princesa Isabel e, ainda, nos estados de Alagoas e Rio Grande do Norte.

Nove pessoas foram presas nesta terça-feira (26) por integrar uma quadrilha responsável por uma onda de crimes em seis estados do Brasil e por envolvimento na série de assaltos, invasões e tiroteios ocorridos em Princesa Isabel, no Sertão da Paraíba, em 2013. Foram cumpridos mandados de prisão em Princesa Isabel, no Rio Grande do Norte e em Alagoas.

Denominada de 'Operação Canga', a ação policial identificou qua a quadrilha era formada por 12 integrantes. Dois foram mortos durante as investigações do roubo de 2013 em Princesa Isabel e outros quatro já foram identificados e a polícia solicitou os mandados de prisão à justiça.

Curta o Facebook do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias. Clique AQUI
Segundo a polícia, o mesmo grupo participou da onda de assaltos em Princesa Isabel, quando a quadrilha portava armas de grosso calibre e usava roupas do Exército Brasileiro. Eles roubaram as agências do Banco do Brasil e Bradesco, no Centro da cidade, e ainda invadiram a sede do Ministério Público. O bando trocou tiros com a polícia em uma ação que durou cerca de uma hora.

De acordo com o delegado Cristiano Jaques, o grupo praticava assaltos com abordagens conhecidas como 'novo cangaço'. “O nome da operação deriva das práticas do cangaço, quando a violência era usada sem limites para conseguir o que se pretendia nas cidades invadidas. No caso específico deste bando que prendemos hoje, os membros atuavam de forma organizada em vários Estados, sempre com emprego de armamento de fogo de alta capacidade de destruição, como fuzil, submetralhadoras e pistolas”, explicou.
Para o delegado, o modo de articulação da quadrilha chamava atenção. “Eles eram organizados. Dividiam tarefas, com um grupo de execução e outro de levantamento de informações (quantidade de policiais no local, volume de dinheiro nos bancos, rotas de fuga, bloqueios com veículos queimados). Indícios apontam para a participação de pessoas do município com a apuração de dados para que a quadrilha pudesse executar o crime e não ser presa”, afirmou o delegado.

O grupo tinha assaltado agências em Santana do Araguaia, no Pará, em 2011 e 2012. Em Taperoá, no cariri paraibano, em 2011; Tanque Novo, Bahia em 2012; Coremas, Paraíba em 2012; Mata Grande, Alagoas, em 2012; Serra Branca, Paraíba; Castro Alves, na Bahia; Amargosa, também na Bahia em 2013; Cocos, Bahia, em 2013 e 2014; Princesa Isabel, Paraíba, em 2013; em Vila Rica, Minas Gerais, em 2013, e Curimatá, no Piauí, em 2014.






Portal Correio

Foto reprodução Portal Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário