terça-feira, 19 de agosto de 2014

PB tem 16 açudes com menos de 5% e 200 mil pessoas sem água; cisternas chegam para 81 mil.

Cisterna entregues na Paraíba

Entre as alternativas para aqueles que sofrem com a seca, está a utilização de cisternas de polietileno, que acumulam 16 mil litros e abastecem uma família de quatro a cinco pessoas por até nove meses.

Apesar das chuvas registradas no Leste da Paraíba, suficientes para garantir situação confortável nos mananciais dessa região, o interior do estado tem pouco mais de 200 mil pessoas que sofrem com a escassez de água. Essa população que fica em 16 cidades depende de 21 reservatórios que têm menos de 5% da capacidade. Os dados dos volumes dos açudes são disponibilizados pela Agência Executiva de Gestão das Águas.

Uma das alternativas para aqueles que sofrem com a falta de água é a utilização de cisternas de polietileno, que acumulam 16 mil litros, provenientes da chuva ou de outras fontes, e abastecem uma família de quatro a cinco pessoas por até nove meses de estiagem.


Curta o Facebook do São Vicente Agora e fique atualizado com as notícias. Clique AQUI 

Atualmente, nove municípios paraibanos contam com cisternas de polietileno, o que soma uma população estimada de 81 mil pessoas: Araruna, Areial, Cacimba de Dentro, Dona Inês, São Sebastião de Lagoa de Roça, Soledade, Belém do Brejo do Cruz, Igaracy, Quixaba e Lagoa. 

O Estado recebeu 5 mil unidades e desse total, apenas 102 faltam ser instaladas. A previsão é que os trabalhos sejam concluídos até dezembro deste ano.

Segundo a Acqualimp, fornecedora dos reservatórios na Paraíba, o material utilizado na fabricação dos equipamentos é adequado à região. "A resina de polietileno somente pode fundir a uma temperatura de 147° C, sendo que a temperatura máxima no semiárido pode oscilar em torno de 50° C em períodos de clima mais severo. Além disso, essa é uma tecnologia consolidada internacionalmente e utilizada há mais de duas décadas em países com temperaturas semelhantes ou até mais críticas que as encontradas no Nordeste brasileiro", explica Amauri Ramos, diretor da Companhia. A durabilidade e resistência é outra característica do equipamento. 

"O polietileno, por sua elasticidade, impede que os tanques apresentem fissuras e trincas. O uso do polietileno também impede vazamentos da água, assim como a contaminação por outros líquidos e resíduos sólidos. Desta forma, preserva a qualidade da água armazenada e proporciona benefícios para a saúde da população atendida. Uma cisterna de polietileno pode durar até 30 anos", conclui Ramos.





Portal Correio

Foto reprodução Portal Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário