terça-feira, 9 de abril de 2013

Caso Fernanda Ellen: Vizinho matou estudante e depois foi consolar a família, revela policial militar.


Jefferson Luís é acusado de matar Fernanda Ellen

Acusado nega que tenha cometido estupro, mas polícia aguarda laudo médico para esclarecer.

O juiz Wolfram da Cunha Ramos decretou no final da tarde desta terça-feira (9) a prisão preventiva do assassino confesso da estudante Fernanda Ellen, Jefferson Luís de Oliveira Soares, 25 anos. Por causa do horário em que o decreto de prisão foi assinado, o acusado, que está preso na sede do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), foi levado para a Central de Polícia, onde passará a noite. Na quarta (10), ele será levado para o Presídio Desembargador Flósculo da Nóbrega (Róger), onde aguardará julgamento. O decreto de prisão atribui a Jefferson os crimes de latrocínio e ocultação de cadáver.

Á polícia, o acusado disse que estrangulou a estudante Fernanda Ellen, de 11 anos, depois que ela se recusou a lhe dar R$ 20 para comprar pedras de crack.

Acusado de matar Fernanda Ellen

Segundo relatos do acusado, ele resolveu matá-la para ficar com o aparelho celular, vendê-lo e trocá-lo pela droga e nega que tenha cometido qualquer tipo de estupro. Apesar disso, a polícia não descarta essa hipótese e aguarda o resultado da perícia médica do Instituto de Polícia Científica (IPC), que deve sair em até 15 dias.

Depois de estrangular a criança, ele teria colocado o corpo de Fernanda embaixo da cama de casal onde dormia e só o enterrou no quintal na madrugada do dia seguinte.

Estes foram os detalhes mais chocantes do crime relatados na entrevista coletiva concedida pelo delegado adjunto do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (Goe), Aldrovilli Grisi, junto com o secretário de Estado da Segurança e da Defesa Social, Cláudio Lima e o comandante geral da Polícia Militar da Paraíba, coronel Euller Chaves, na Escola de Serviço Público do Estado da Paraíba (Espepe), em Mangabeira, zona sul da Capital, na manhã desta terça-feira (9).

Coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira
  
As autoridades informam que ele está à disposição da secretaria estadual de segurança porque ainda será ouvido sobre outros crimes que tenha cometido no passado, como um provável estupro contra uma estudante universitária, em 2010.

Jefferson Luís morava há três anos no endereço onde cometeu o crime, no Alto do Mateus, zona Oeste de João Pessoa, e é pai de duas filhas, uma de 3 outra de 8 anos.

Fim do mistério

Três meses e um dia depois do desaparecimento da estudante Fernanda Ellen (11), a Polícia anunciou que conseguiu desvendar o caso. O desfecho foi surpreendente. Segundo as autoridades, Jefferson Luís Oliveira Soares (25) confessou o crime e está preso.

De acordo com o o delegado adjunto do Grupo de Operações Táticas na Paraíba (GOE), Aldrovilli Grisi, em março, as autoridades conseguiram rastrear e encontrar o telefone de Fernanda Ellen com uma garota de programa que confessou ter trocado o aparelho por pedras de crack, na rua da Areia (centro da Capital, numa área onde ficam casas de prostituição); essas drogas também foram consumidas pelo acusado. Na época, ela fez um retrato falado do suspeito.

Retrato falado do suspeito de matar Fernanda Ellen
  
Aldrovilli revelou que a prostituta não é traficante, não fez sexo com Jefferson e agora está recebendo apoio da Secretaria Estadual de Saúde para tratamento contra o vício, por ser considerada apenas usuária de entorpecentes.


O acusado se fez de amigo da família

Familiares da estudante Fernanda Ellen e um policial militar se pronunciaram na manhã desta terça-feira (9), sobre a morte da garota e revelaram que o acusado pelo crime, Jefferson Luís Oliveira, esteve no mesmo dia do desaparecimento na casa de família da estudante para consolar e "saber" o que estava ocorrendo.

Conforme o caminhoneiro Fábio Júnior, que é pai da garota, o acusado se juntou ao mutirão organizado pelos amigos e a família na tentativa de encontrar a estudante com vida. “Ele foi panfletar nas ruas conosco e ainda participou de um culto que fizemos. Jamais pensávamos que ele seria capaz de fazer essa atrocidade”.

 Local onde o corpo foi encontrado
                                  Foto: Perícia realiza exames no local onde o corpo foi encontrado
                                                       Créditos: Divulgação/Secom-PB
O caso

Fernanda Ellen despareceu no dia 7 de janeiro. Ela retornava da escola a poucos metros de sua casa, repetindo um trajeto dirário que fazia a pé. A estudante tinha ido ao colégio pegar suas notas finais do ano passado.

Várias frentes de investigação foram levadas em consideração. Na semana passada, a CPI do Tráfico de Pessoas da Câmara Federal esteve em João Pessoa. Os familiares chegaram a pedir o ingresso da Polícia Federal no caso. O deputado federal paraibano Major Fábio (DEM), integrante da CPI, declarou que não descartava que Fernanda Ellen teria sido vítima do tráfico de pessoas.

No entanto, a Polícia Civil e a Polícia Militar atuavam em outra vertente. Já tinham em mãos o celular encontrado com a garota de programa, que estava detida para averiguações. A partir de um retrato falado feito com as descrições da prostituta, que atuava na rua da Areia, cidade baixa de João Pessoa, os familiares confirmaram as semelhanças com a foto de Jefferson Luís. 

Por volta das 17h30 da última segunda-feira (8), a garota de programa foi até o bairro Alto do Mateus e reconheceu o suspeito como responsável por tê-la entregado o aparelho celular da vítima desaparecida.

Após abordagem da Polícia Civil, o homem ainda tentou fugir pulando o muro, mas foi perseguido até ser detido pelos policiais. Já preso, confessou que matou Fernanda Ellen no mesmo dia em que a estudante desapareceu e teria enterrado o corpo no dia seguinte.

A notícia da prisão de Jefferson Luís se espalhou pelo bairro do Alto do Mateus. Cerca de mil pessoas foram para frente da casa do suspeito e ameçaram linchá-lo e depedrar a casa dele. A rua foi interditada com a chegada de reforço policial; o próprio suspeito indicou o local onde teria enterrado a menina.

Peritos do Instituto de Polícia Científica (IPC) foram chamados à residência; escavaram e encontraram um corpo em avançado estado de decomposição. O comandante da Polícia Militar, Coronel Euller Chaves, disse não ter dúvidas de que trata-se de Fernanda Ellen, pelas características inciais do corpo e pela confissão do vizinho da estudante.

O corpo de Fernanda Ellen foi encaminhado para o Instituto de Polícia Científica (IPC) para realização de exames de necropsia, arcada dentária e DNA. De acordo com o gerente de Identificação Criminal e Civil do instituto, Israel Aureliano, o primeiro exame revela a causa da morte e se houve crime sexual. “Também foram coletadas amostras do solo, buscando estimar a data em que o corpo foi enterrado. Além disso, dentro da casa foi realizado exame com luz forense, que mostra vestígios biológicos, como sangue e esperma, coletados em pedaços de colchões e lençóis”, revelou o perito.

O resultado dos exames e do DNA devem ser entregues ao delegado Aldrovilli Grisi em 15 dias. A Polícia Civil já detém amostras da mãe da menina e do indiciado.

 Local onde o corpo foi encontrado


Mobilizações

Familiares e amigos realizaram na noite da última sexta-feira (5), um protesto por respostas do desaparecimento de Fernanda Ellen e pelo fim da violência. O grupo percorreu a orla marítima de Tambaú à Cabo Branco, em João Pessoa. No mesmo dia, ocorreu a audiência para discutir o caso na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Pessoas na Assembleia Legislativa, na Capital.












São Vicente Agora com informações do Portal Correio

Foto reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário